Foto: Reprodução / TJ

Justiça condena os seis responsáveis pela chacina que deixou oito mortos em Porto Seguro

As seis pessoas responsáveis pela chacina que deixou oito pessoas mortas em Porto Seguro, no sul da Bahia, em 2017, foram condenados nesta sexta-feira (23). As penas variam entre 195 e 248 anos. A decisão foi proferida pela 1ª Vara Criminal da cidade.

O crime aconteceu no dia 5 de fevereiro de 2017, quando as vítimas voltavam de uma de uma festa “paredão” realizada na orla da cidade. Entre os jovens, quatro eram filhos de policiais.

Os amigos estavam em uma casa no bairro de Porto Alegre I, em Porto Seguro, quando homens chegaram fortemente armados em uma caminhonete, atiraram neles e depois fugiram. De todos que estavam na casa, apenas três homens e algumas mulheres sobreviveram.

Segundo depoimentos de testemunhas, o grupo chegou a se passar por policiais ao chegar ao local do crime. Eles estavam encapuzados, usavam coletes balísticos, roupa de camuflagem e armas de grosso calibre.

Ainda com base no depoimento de sobreviventes, a chacina não teve mais mortos por causa da falta de munição.

De acordo com a polícia, entre os condenados está Antônio José dos Reis, que foi preso em 2017, suspeito de ordenar a chacina. Ele faz parte da facção criminosa que atua em Porto Seguro.

Veja as penas dos condenados:

Antônio José dos Reis, condenado a 248 anos;

Isnaldo Silva Santos, condenado por 195 anos;

Rafael Miranda Nascimento, condenado a 195 anos;

Ueber Souza dos Santos, condenado a 195 anos

Jackson Araujo Nascimento, condenado a 202 anos;

Walas Silva dos Santos, condenado a 202 anos.

Foto: Alberto Maraux / SSP

Quatro jovens são mortos em chacina na zona rural de Serra Preta

A Polícia Militar confirmou a morte de quatro pessoas, com idades entre 19 e 26 anos, na manhã desta terça-feira (20), em uma chacina na zona rural de Serra Preta, a cerca de 160 km de Salvador.

As vítimas foram identificadas como Einan Duarte, de 19 anos, o irmão dele, Eiran Duarte, 21 anos, Kelvys Silva Santana, 19 anos, e Deivid Luis dos Santos, 26 anos.

De acordo com a PM, os quatro jovens foram levados com as mãos e os pés amarrados do distrito do Bravo, para a localidade de Limoeiro, onde foram mortos. A localidade fica próximo do município de Ipirá. A polícia não detalhou como as vítimas foram mortas.

Os agentes da 57ª Companhia Independente de Polícia Militar (CIPM) foram acionados e encontraram os corpos. Eles foram encaminhados para o Departamento de Polícia Técnica (DPT) da região, que será responsável por apontar as causas da morte.

A delegacia da cidade confirmou que já tem linhas de investigação, mas que não vai divulgar para não atrapalhar no processo.