Foto: Valter Pontes / Secom

Salvador entra em consórcio de cidades para facilitar aquisição de vacinas

Com objetivo de ter a aquisição direta de vacinas contra Covid-19, a capital baiana deu um passo à frente nesta segunda-feira (22), entrando no Conectar – Consórcio Nacional de Vacinas das Cidades Brasileiras, pela Frente Nacional de Prefeitos (FNP). Com isso, Salvador é um dos 1.731 municípios que conseguiram ingressar oficialmente até o momento na estratégia, que foi instituída em Assembleia Geral Virtual.

O prefeito Bruno Reis, que participou do evento, disse que o investimento mais importante que as cidades podem fazer é na aquisição das doses, para salvar vidas.

“É muito melhor comprar vacinas do que, como no caso de Salvador, instalar 286 leitos de UTI exclusivos da Prefeitura, pagar um auxílio mensal de R$270 a 23 mil pessoas desde o início da pandemia, distribuição de quase 200 mil cestas básicas, sendo que cada cesta custa duas doses de vacina. Mesmo diante do sacrifício que os municípios estão vivendo, com aumento expressivo no custeio no enfrentamento à pandemia, consideramos a compra da vacina uma prioridade e por isso Salvador resolveu fazer parte do consórcio”, esclareceu.

Entre os presentes na reunião estavam, além do presidente da FNP, Jonas Donizette, que fez a apresentação, reuniu também o governador do Piauí, Wellington Dias, do ministro do STF, Gilmar Mendes, do ex-presidente do STF, Ayres Britto, e da representante da Organização Pan-Americana da Saúde/Organização Mundial da Saúde (Opas/OMS) no Brasil, Socorro Gross Galiano, entre outras autoridades.

O Conectar, em menos de um mês, desde o início das primeiras tratativas, será instituído para facilitar a compra direta dos fabricantes, pelos municípios brasileiros participantes, das doses da vacina contra a Covid-19. Na ocasião, graças à mobilização dos municípios, o Ministério da Saúde já passou a orientar, que as novas doses de vacinas contra a Covid-19 sejam integralmente utilizadas para imunização do maior número possível de pessoas, com reserva de apenas 10% para a 2ª dose.

Além disso, após apelo da entidade, a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) divulgou, na sexta-feira (19), as medidas excepcionais para aumentar o acesso a oxigênio no sistema de saúde, no sentido de evitar um cenário ainda mais trágico.