Foto: Reprodução / Congresso dos Estados Unidos

Menina relata no Congresso dos EUA que fingiu estar morta para escapar de ataque em escola

Uma aluna do quarto ano da escola Robb Elementary, que sobreviveu ao tiroteio em massa em uma escola primária em Uvalde, no Texas, contou nesta quarta-feira (8) a membros do Congresso dos Estados Unidos como ela se cobriu com o sangue de um colega morto para evitar ser baleada.

Em um depoimento pré-gravado, Miah Cerrillo, de 11 anos, contou como ocorreu o ataque na sala em que ela estava. “Ele falou boa noite para minha professora e deu um tiro na cabeça dela. Eu pensei que ele ia voltar, então peguei o sangue e espalhei sobre mim”.

Ao perguntarem sobre o que ela queria que acontecesse em sua escola, ela respondeu: “Ter segurança. Não quero que isso aconteça de novo”.

Além de Miah, pais de jovens mortos e feridos em tiroteios em massa no país falaram nesta quarta-feira em um painel do congresso americano. O objetivo da audiência é propor um projeto de lei de segurança para a venda e porte de armas.