Foto: Jefferson Peixoto / Secom

Chafariz volta a funcionar em ponto turístico de Salvador

O chafariz do Terreiro de Jesus situado em um dos pontos turísticos mais visitados de Salvador voltou a operar, após cerca de dois anos parado.

O equipamento teve o investimento de R$28,3 mil e obra com duração de dois meses, executadas pela Secretaria Municipal de Manutenção (Seman), através de recursos disponibilizados pela Secretaria de Cultura e Turismo (Secult).

Segundo a Seman, para que o chafariz voltasse a funcionar, em estilo neoclássico, foram necessários a reposição dos mármores danificados e o fechamento de buracos nas paredes e pisos que ocasionavam fuga d`água. Além disso, foi promovida a substituição de todo rejunte entre as pedras, limpeza da fonte com antifúngico e impermeabilização das paredes e dos pisos.

História

O chafariz foi inaugurado no Terreiro de Jesus, em 8 de dezembro de 1856, dia de Nossa Senhora da Conceição da Praia. Fazia parte do ousado sistema de águas do Queimado, o primeiro de água encanada do Brasil. A entrega do equipamento ocorreu em conjunto com outros chafarizes, como o da Água de Meninos, o da Praça do Comércio, o do Largo do Theatro e o da Piedade.

Suas alegorias representam riquezas e características da Bahia. É encimado por uma escultura de Ceres, deusa da fertilidade e da abundância agrícola. A base de seus pés é adornada com taboas, planta da família das tifáceas, comum no Brasil. Embaixo da primeira bacia de ferro fundido estão quatro meninas de mãos dadas.

Mais embaixo, está uma bacia poligonal ornada com delfins, guirlandas e conchas marinhas. As esculturas da base (duas de entidades femininas e duas masculinas) representam os quatro principais rios da Bahia: Jequitinhonha, Paraguaçu, Pardo e São Francisco. Essas esculturas são do artista francês Mathurin Moreau, que chegou a dirigir, por algum tempo, a fundição Val d’Osne.