Foto: Jefferson Peixoto / Secom

Após dois anos parada, fonte luminosa da Praça da Sé é recuperada

A fonte luminosa da Praça da Sé está recuperada e voltou a funcionar, depois de quase dois anos parada para reparo, devido ao furto de equipamentos eletrônicos, projetores e bicos injetores. Por causa dos movimentos computadorizados com focos de luz coloridos, o equipamento é conhecido como fonte cibernética, e com 171 metros quadrados atrai turistas no Centro Histórico de Salvador.

O equipamento teve investimento de R$247 mil em serviços como troca de bicos d’água, reposição da fiação e pintura. Além da recuperação é necessário de manutenção diária das fontes da capital baiana, tratando a água e lubrificando os bicos e demais sistemas, realizada pela Diretoria de Iluminação Pública (Dsip), vinculada à Secretaria Municipal de Ordem Pública (Semop).

Inaugurada em 2002, e fabricada por uma empresa espanhola, a fonte da Praça da Sé possui focos de luz com 64 cores diferentes e é considerada uma das mais sofisticadas do gênero no país.

Vandalismo

A fonte da Praça da Sé já havia sido alvo de vandalismo em 2019, também com o furto de material. À época, a Dsip realizou um investimento de R$1,6 milhão para recuperar essa e outras cinco fontes: a da Praça da Piedade, duas no Campo Grande, a da Praça Nossa Senhora da Luz e a do Terreiro de Jesus.

Para evitar que novos furtos ocorram, a Dsip pretende manter o funcionamento durante 24h, o que diminui as chances de depredação. Além disso, profissionais do órgão estudam implantar um sistema de alarme e de monitoramento por câmeras.