Foto: Valter Pontes / Secom

ACM Neto diz que só “após jurídico analisar inquérito” vai tomar decisão sobre senador flagrado com dinheiro na cueca

O prefeito de Salvador e presidente nacional do Democratas, ACM Neto, afirmou na manhã desta quinta-feira (15) que só vai tomar uma decisão sobre o caso do senador Chico Rodrigues (DEM-RR), que foi flagrado pela Polícia Federal com dinheiro na cueca, após a equipe jurídica do partido analisar o inquérito.

O vice-líder do governo Bolsonaro no Senado foi alvo de uma operação de busca e apreensão no seu endereço. A investigação apura desvios de recursos públicos destinados ao combate à pandemia da Covid-19.

Segundo o presidente do DEM, o parlamentar sofrerá as devidas punições podendo incluir a sua expulsão do partido, se a culpa do senador seja comprovada.

“Caso haja comprovação do envolvimento do parlamentar em atos ilícitos vamos estabelecer todas as punições previstas no estatuto. O Democratas já deu vários exemplos de que, em assuntos onde havia a comprovação de filiados, nós punimos”, afirmou.

ACM Neto disse que ainda não teve contato com a defesa do senador, e que até o momento, todas as informações vieram da imprensa.

“Não quero descreditar a imprensa não, mas precisa que o partido tenha acesso e isso já foi determinado. Tudo que eu tenho hoje são notícias da imprensa. Então, o adequado é que do jurídico do partido possa afazer o acompanhamento e tenha acesso aos detalhes do inquérito para determinarmos o que acontecerá”, concluiu.

A polícia Federal cumpria operação de busca e apreensão na residência do senador em Roraima, quando encontraram no local cerca de R$ 30 mil. Parte das notas de dinheiro estaria entre as nádegas do parlamentar. A PF registrou o momento da apreensão, com fotos e vídeos.

Senador Chico Rodrigues Foto: Jane de Araújo / Agência Senado
Foto: Marcelo Casal jr / Agencia Brasil

Após demissão, Mandetta terá cargo no DEM

Recém-demitido do Ministério da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, vai assumir um cargo de conselheiro nacional no Democratas, partido ao qual é filiado. A informação foi passada pelo governador de Goiás, Ronaldo Caiado.

Caiado diz ter havido um acordo para abrigar Mandetta na legenda. O governador de São Paulo, João Doria (PSDB), também já demonstrou interesse em trabalhar com Mandetta.
“Diante de uma pandemia que ninguém sabia como enfrentar, Mandetta entrega o Brasil hoje com resultados superiores a todos os outros países muito mais desenvolvidos que o nosso.

As vezes as pessoas não entendem bem, mas ao achatar a curva, que para alguns virou o problema, ele conseguiu a salvação de milhares de brasileiros”, afirmou o governador de Goiás.

Caiado foi responsável pela indicação de Mandetta ao Ministério da Saúde no passado quando ainda era aliado do presidente Jair Bolsonaro.